Como a indústria dos jogos de azar tem ajudado a economia de Portugal

Durante séculos a estigma sobre os jogos de azar fez com que a prática fosse considerada reprovável. Portugal é um país culturalmente católico, a religiosidade sempre reprovou a prática devido aos problemas gerados pelo vício em jogatina e os problemas sociais advindos deles. Contudo é impossível negar: O jogo já deixou de ser apenas lazer e tornou-se uma forte actividade económica nos últimos tempos, com o aparecimento de muitos códigos promo casino em particular, sendo considerado moralmente questionável ou não.

Só no primeiro semestre de 2018 a receita bruta dos casinos ultrapassou os 152 milhões de euros, demonstrando notável aumento de mais e 3% em relação ao ano anterior.

De facto a exploração do jogo como actividade económica é de veras vantajosa, houve uma grande evolução no mercado nas últimas décadas e a tecnologia contribuiu em grande parte para o sucesso do mercado não só a nível nacional, e sim a nível internacional. Em Portugal é autorizada a exploração de jogos de fortuna em azar por meio de concessão. Jogos de banca, mesa e jogos de máquina são permitidos em 10 zonas de jogos com concessão de exploração provida por concurso público de acordo com um decreto anexado em 2001, e recentemente Portugal também legalizou os jogos online de azar.

O jogo em Portugal é rigorosamente regulado. É proibida a prática de jogos por estabelecimentos não credenciados, e a autorização é concedida por períodos contratuais fixados pelo governo. O número de empresas interessadas em fazer parte do investimento sobe a cada ano, principalmente com a recente confiança na estabilidade económica e política actual portuguesa vinda da habilidade de gerenciar a crise e alavancar o crescimento do turismo a seu favor.

Para o governo o benefício é mútuo. Os recursos adquiridos para as contas públicas vindo dos jogos assegura a Portugal receita para o financiamento de diversas áreas económicas. A legalização do jogo é um dos motivos aos quais dão a Portugal tanto sucesso no turismo inclusive de residentes. Os casinos que possuem as concessões garantem com suas actividades cerca de 77,5% para os cofres públicos em Portugal, o que ainda financia boa parte do turismo no território.

Em meio à crise europeia dos últimos anos, Portugal saiu a frente com o salto no turismo. Somente nos três últimos meses de 2017 as sete operadoras de jogos geraram mais de 36,5 milhões de euros, o que sobretudo foi outro recorde para o país onde a indústria é legalizada e conta com um departamento do governo apenas para regulamentação da área.

Aos noventa anos das concessões da prática de jogos a Casinos e casas de jogos, a legalização ocorreu em 03 de Dezembro de 1927. O primeiro casino a surgir em Portugal foi o Casino Estoril situado na Riviera, inaugurado em 1931. O balanço dos últimos anos mostra que grande fatia da receita gerada pelos casinos vem das máquinas de jogos e das apostas online, as quais tem crescido absurdamente com a popularização de jogos online.

Jogos online também possuem legislação específica no país, as plataformas de jogos não ficaram para trás com a regulamentação das apostas online em 2015 e possuem grande facturamento. No entanto ainda existem sites clandestinos e estima-se que que apenas cerca de 35% das apostas são feitas legalmente, o que preocupa o governo que investe na regularização da área.